Arquivo de setembro, 2012

E se…

Publicado: setembro 26, 2012 em Contingência

… a Tirania da Contingência fosse um blog de música quadradão?

Provavelmente, você encontraria o lançamento do novo álbum do Otto, chamado Moon 1111, e um texto cheio das referências que o músico utilizou para fazer o álbum, como por exemplo o filme “Farenheit 451”, de François Truffaut, filme baseado na obra de Ray Bradbury.

Eu já li o livro, já vi o filme, são realmente infernais, deixam você com a cabeça pirada por um bom tempo. Mas como a Tirania não é um blog quadradão, você provavelmente não lerá algo assim por aqui, principalmente porque não temos uma metodologia para falar o quer que seja em termos musicais. Nosso único compromisso é não ter compromisso com estruturas, um verdadeiro horror mercadológico. Nós NÃO temos uma visão de futuro.

Como assim, vocês não tem um planejamento? Rapaz, faça o seguinte, sente-se aí e peça uma água de coco.

Mas não é por que não temos planejamento que nós não tenhamos que atualizar o blog. A Marina Arruda, frequente colaboradora, veio reclamar: porra Vaca, esse boteco vive às moscas. Toma jeito, rapá. Claro que ela não usou essas palavras, mas meu filtro particular entendeu isso. E ela está certa.

Bom, as coisas andam um pouco atribuladas para ficarmos lançando posts o tempo todo. Foi então que tive uma ideia brilhante, correndo no clube ao som de LCD Soundsystem. Fazer um post GIGANTE, daí o leitor poderá gastar toda a paciência em um só post. Enfim, o leitor e a leitora ficarão indignados, eu sei. Vivemos em uma época efêmera, espelho das timelines do Twitter e do Facebook. Ninguém aguenta passar mais de três minutos num blog, portanto, nos exigirão: “largue de ser um maldito editor preguiçoso”. Afinal, posts não poderiam passar de 800 palavras.

Diante de tal argumento, eu faço votos de paz: sem violência leitor. Você simplesmente pode voltar quantas vezes quiser ao blog, e ler aos poucos o post gigante. O post gigante já tem até nome. Vai se chamar COMPRA DO MÊS. De volta aos dias de inflação.

Vir ao blog para ler um post grandalhão pode exigir umas três visitas, de acordo com o tédio respectivo. Vai ser bom até, acho que o WordPress contará mais acessos. Não entendo bem como o WordPress funciona. Nada é claro na minha relação com o WordPress. Somos como garçom e cliente de balcão de bar. Nos vemos toda semana, dizemos piadas, e no meio da noite vamos para o estacionamento trocar uns socos. Normalmente, quem vai à lona sou eu mesmo.

Compra do mês

The Moon 1111

Começando pelo próprio Otto, já que falamos nele.

Otto, provavelmente é um dos sujeitos mais malucos que eu já vi ao vivo. Era pleno Carnaval, nós ali em Recife antigo, no palco do almirante, sobe o Otto no palco e começa a cantar aquela música do “ela é do tempo do Bob”, e a platéia inteira cantando a letra aos urros, uma devoção ao nível dos frequentadores dos shows do Chiclete com Banana.

Mas a loucura dele não era bem a música, que por si só já é bem estranha, mas a desenvoltura com que o barbudo dançava, vestindo um blusão grosso, sob uma noite amena de 38 ºC.

Pensei na hora que o sujeito ia torrar os miolos. Eu tenho um blusão igual, e posso afirmar que é o mesmo que vestir um processador Philips de fritar batata sem óleo.

Minha previsão estava certa:

http://www.youtube.com/watch?v=nKyUV2U0lo4&feature=related

Lana Del Rey – The Paradise Editon

A ruiva dos sonhos e dos lábios siliconados re-lançou ontem ou anteontem ou que diferença faz seu álbum debutante, com músicas novas. Qualquer coisa que ela fizer, nós lhes avisaremos. Podem dormir tranquilos. E além de tudo, ela ainda faz música boa.

Fazendo Justiça ao Alabama Shakes

De alguma maneira, esses caras deram tão certo que largaram os empregos originais para ficar viajando por aí.

Eles são bons de verdade. Mereciam um retorno à Tirania. A vocalista, que usa esses óculos bastante engraçados, a vocalista não canta, ela dispara trovões.

::

Obrigado por chegar até aqui.

Sinceramente,

Eduardo Pastore

Canções para uma garota quebrada

Publicado: setembro 16, 2012 em Contingência

Essa garota, essa Sharon Van Etten, tomou um belo pé no traseiro do noivo, ficou meio pirada e resolveu gravar músicas. Li na RS, parece que ela ia tocar uma música num programa de TV, deu um branco e ela ficou lá dedilhando o violão, a letra não veio. Ela bateu a cabeça no microfone e soltou um “fuck”. 

Bem, esse tipo de desajuste costuma dar certo com um violão e uma morena triste de voz doce.

 

 

 

 

 

::

Eduardo Pastore

The XX

Publicado: setembro 12, 2012 em Contingência

Por Cláudio Miccieli Jr

Muleque… Escuta isso… O Album X deles não consigo parar de escutar… Me sinto um inútil e desinformado em não saber desses caras antes..