Arquivo de maio, 2011

Mês de abril eu quebrei a banca indo no Iron Maiden em Brasília, depois The National em SP e por fim U2, também em SP. 3 shows em 3 semanas.

Nunca havia visto o Iron Maiden, fazia tempo que não escutava. Lotado. Os tiozinhos começaram com um showzinho burocrático e tediante. Nem os fãs, aliás, muitos pais com filhos vendo juntos ao show, estavam animados. A explicação eram as músicas do álbum novo. Depois quando começaram a tocar os hinos, a galera foi ao delírio, a banda esquentou, e aí compensaram as 250 piletas da pista premium – na verdade quem me obrigou a ir foi a Jessica, como condição de me liberar para o show do The National. Não sei se iria de novo ver o Iron Maiden, talvez sim. O show é um culto, com começo, meio e fim bem definidos, não tem experimentação. Mas os caras dão ao público exatamente o que os fãs querem ver, então o contrato está garantido. Todo mundo feliz.

Semana seguinte, show do The National, minha atual banda favorita. Fui sozinho de tudo, fiquei na casa de um amigo, e comecei a fazer um esquenta sozinho às 17h00 numa padaria lá do Itaim. Cheguei no camarote, tinha um casal e um cara de goiânia, ninguém se conhecia, eu chutei logo o balde e pedi um balde de cerveja para todo mundo, essa é a vantagem de ficar nos camarotes do citibank hall, tem garçon por lá. Show emocionante, os caras não tinham telão, só jogo de luzes, usam umas roupas de loja de departamento e nem trocam muito de instrumentos. Música pura e simples, da melhor qualidade, com bastante experimentação. Gravei o show quase inteiro no I Touch, não lembrava de zorra nenhuma, nem da cara do taxista que me deixou em casa. Descobri que fiz umas entrevistas com o público no meio do show, perguntei pro cara de Goiânia se ela tinha passado no Jerivá e trazido uma pamonha à moda.

Para terminar, show do U2, passei 16 horas em SP, 2 das quais indo para o show dentro do taxi.  A pirotecnia é fora de série, realmente. As músicas são muito bem executadas. Foi muito bom para reacender um pouco do U2, mas outro U2, de outra época. Bom para lembrar que por trás de todo aquele carrossel tem uma banda de verdade, caras de verdade, fazendo músicas que a gente sempre gostou.

Uma pitada de The National.

Novo TV on the Radio!

Publicado: maio 11, 2011 em Contingência

A banda mais explosiva do planeta lançou novo álbum, com canções desesperadamente frescas e inovadoras. Não há outra banda fazendo o que eles fazem.

Fiquei sabendo pelo Starzzones, que indicou esta pérola: